quinta-feira, 16 de junho de 2011

Mais sobre o poder das palavras!

Oi gente, bom dia!
Aceitei a proposta da Flor e vou falar um pouco mais sobre o "Poder das Palavras".
A verbalização de alguma palavra é o resultado de um emaranhado de conexões neuronais que se ocupam de associar sentido, forma, afastar palavras semelhantes, correlacionar com emoções, enfim. Uma série de ligações e comunicações devem acontecer dentro das nossas cabeças para que finalmente saiam as palavras pretendidas dentro do contexto pretendido.
Por exemplo, penso em pedir uma “porta” na loja de materiais de construção. Meu cérebro deve processar uma série de informações como a de que sei o que é uma porta, sua utilidade, os formatos conhecidos. Não posso pensar "porta" e falar "porca" e então meu cérebro tem que afastar as palavras semelhantes. A palavra pode me remeter a alguma experiência boa ou ruim (o primeiro beijo na porta de casa ou a grande tragédia vista pela porta) e uma infinidade de outras conexões precisam acontecer para que eu esteja pronta para verbalizar a palavra em questão.



Esse processo inicial envolve um enorme gasto de ENERGIA que, grosseiramente falando, pode ser  medida e avaliada numa moeda chamada ATP (adenosina tri fosfato). Todos os processos metabólicos do corpo humanos rodam, basicamente, sobre essa "moeda". Ou produzimos ATP, ou quebramos ATP. 
Vejam que ainda não estou falando da energia holística (daquela energia cósmica que nos envolve), mas da coisa mais científica (não que a primeira não o seja), palpável e comprovada.
Nesse ponto faço a minha primeira colocação:
Se gastamos energia para manifestar os pensamentos através de palavras, por que não investimos melhor essa energia procurando empregar melhor as palavras? Podemos comparar com alguém que gasta em vão seu próprio dinheiro... Como se pegássemos notas de R$ 50,00 e fôssemos gastando com qualquer coisa... Opa! Então falar também é um assunto de Economia!
E vamos continuando... O cérebro já está pronto para emitir a palavra para os órgãos responsáveis pela fala e então há mais um grande gasto de energia porque toda a mecânica da fala deve acontecer para que a palavra pensada (lembram que era "porta"?) finalmente seja verbalizada. E mais todo um processo de contrações e relaxamento, inspiração e expiração, vibração das pregas vocais até que, finalmente temos a "porta"!!! Vejam aqui a importância de uma boa respiração já que o ato mecânico de falar é tão melhor quanto à mecânica da respiração. E os cantores e profissionais que se utilizam da voz, e do mecanismo fonador em geral, sabem disso e procuram exercícios de respiração para otimizar a fala.
Isso não é complicado de imaginar, passamos por isso em nosso dia a dia quando precisamos falar qualquer coisa depois de uma corrida com algumas sacolas de compras nas mãos. Ufa! Que sacrifício! Quase não sai som nenhum!
Vejam quanta energia é gasta para falarmos uma só palavra!

Agora vamos pensar sob outro aspecto. Somos aquilo que comemos, assim entende o Ayurveda. E eu me arrisco a complementar que vivemos aquilo que falamos também. Dei um exemplo no primeiro texto que dizia respeito a uma suposta conversa com nosso chefe. Ninguém sai falando um monte de impropérios quando quer pedir um aumento, ou alguns dias de folga, para sair mais cedo ou algo que o valha, certo? Se nossas palavras podem determinar o comportamento de terceiros, também podem determinar o nosso comportamento, ou não?
E aqui vai a segunda colocação:



Então por que não usamos a mesma técnica conosco? Por que não pensamos melhor naquilo que falamos (sem ser com nosso chefe) para poder conseguir coisas melhores (possibilitadas pelo Cosmo)?


Vishudda - Chakra laríngeo
Não podemos nos esquecer que na fala estamos somando a todo o trabalho e desejo da palavra em si - que já comentamos - com a força imensa do som. E o som, a musicalidade de uma forma geral, carrega toda uma carga de poder. Podemos perceber pelo tom da voz se alguém está triste, feliz, doente ou amargurado. Isso é uma capacidade do som. Ouvimos músicas que nos alegram, nos acalmam ou nos deixam irritados e estressados. Quando verbalizamos um desejo com um tom positivo e confiante, impregnamos o Astral com toda aquela carga que sai junto com as palavras. É como se nós entalhássemos mais fundo ou mais raso na “madeira astral” aquele desejo. Então, ao pedir “Saúde” você imprime no Cosmos esse pedido. Cada vez que ele e repetido, do fundo do seu coração, com todas as forças e energias recheando aquele pedido, você vai marcando mais e mais o Cosmos, como se riscasse por cima do que foi escrito originalmente e aí está o verdadeiro poder das palavras!

Todos já ouvimos mantras cantados como “Om Namah Shivaya!” ou “Hare Krsna, Hare, Hama!” e uma infinidade de outros. Quando entoamos mantras em línguas mortas – línguas que não são mais usadas corriqueiramente em países ou comunidades – entende-se que não há perdas fonéticas ou linguísticas (das traduções) e isso acaba concentrando ainda mais o poder dessas palavras de força. Vejam esse trecho:
Em alguns sistemas hindus, diz-se que os mantras são sons primordiais que possuem poder em e por si mesmos. No tantra buddhista tibetano, os mantras não têm tal poder inerente — a menos que sejam recitados por alguém com uma mente focalizada, eles são apenas sons. Porém, para as pessoas com uma atitude adequada, os mantras podem ser poderosas ferramentas que ajudam no processo de transformação.
(John Powers, Introduction to Tibetan Buddhism)
Mas ao falarmos adequadamente palavras comuns como “Amor" também podemos estar entoando um mantra. Basta querermos do fundo de nosso coração e de nosso pensamento aquilo que estamos falando e então vivenciaremos o processo de transformação comentado acima. E isso não pode ser uma atitude isolada deve fazer parte do nosso dia a dia.
Eu mesmo comecei a reparar quantas vezes repetia a expressão “Bom dia!” para as pessoas sem que aquilo fosse um desejo real. Apenas repetia como um papagaio. Então, a partir daí me ocupo em realmente estar desejando um bom dia (ou boa tarde, ou boa noite! rs...)
Assim, podemos perceber quantas coisas falamos apenas repetindo como papagaios. E as orações antes de dormir? Quanto gasto de energia (da ATP do início!) que poderia ser revertido em outras coisas mais úteis. Quanta perda de tempo!
Um mantra não é nem uma "palavra mágica" nem um "encantamento". É um instrumento da representação e concentração mentais e por isso um recurso do poder mental (mas não de forças sobrenaturais). A raiz man significa "pensar", enquanto o sufixo tra exprime um instrumento, um recurso de acionamento. O efeito do mantra não depende, por conseguinte, de sua entonação — este é outro mal-entendido amplamente divulgado —, mas sim da atitude mental, das associações conscientes e inconscientes que são criadas através da intuição e dos exercícios a ela ligados.
(Lama Anagarika Govinda, Reflexões Budistas)
E a proposta dessa semana e justamente essa! Reverter todas essas possibilidades a nosso favor e a favor daqueles que nos cercam! Mudar nossa atitude mental! Melhorar nossas vidas cabe primariamente a nós mesmos! Não podemos esperar que o milagre venha de fora, ele está dentro de nós e cabe a nós executá-lo!
Vamos sonorizar bons pensamentos na forma de pedidos e clamores para nossas vidas! Vamos acordar de manhã e pedir, Saúde, Paz, Harmonia, vamos desejar realmente um Bom Dia, vamos nos beneficiar de nós mesmos!

Um grande beijo!

* Todas as figuras foram retiradas de Net e postadas na íntegra

3 comentários:

Flor Baez disse...

Uau, Rita!
Muito bom! É digno de um capítulo!
A palavra é realmente uma manifestação energética do nosso pensamento.

Quando fui para a meditação Vipassana, fiquei 10 dias sem poder falar uma única palavra, e após isso, quando voltamos a conversar eu sentia uma falta de ar, um mal estar e depois deste dia passei a medir, ou "economizar" mais as palavras, pois uma vez dita, sempre dita.

Por isso é tão importante observarmos a fala correta e disciplinar nossa língua a só dizer palavras de bem aventurança e compaixão, o que é muito trabalhoso nos dias de hoje! Mas vale a tentativa!

Belissímo post! Adorei!

Rita disse...

Oi querida Flor, que bom que gostou!
Obrigada pela dica! ;)
Verdade, depois que tomamos consciência do poder dessas danadinhas, precisamos ficar atentos!
Tomara que seja útil para tds, né?

Beijos e, mais uma vez, obrigada!

Celia Maria Pedretti disse...

olá, venho lá do BLOGUEIRA UNIDAS, para conhecer seu blog e trabalhos, parabéns são lindos! Estarei sempre por aqui apreciando as novidades e comentando, pois estou te seguindo. Fica o convite para você conhecer o meu e quando estiver por lá deixe seu recadinho, fico muito contente com isso.

grande abraço,
http://celiarteartesanatos.blogspot.com

Meu Selinho

Meu Selinho